Da EFEGenebra

______________________________________________

MAN - A ciência não pode tudo.


Meus queridos, o texto que segue, logo abaixo, escrevi em 2008. Portanto, lá se vão 8 anos..., fui buscá-lo, lá atrás, pela sinergia que mantem com o vídeo acima. Vejam se não...

A ciência não pode tudo.


No período medieval, Voltaire foi um dos primeiros a insurgir-se contra a cultura clerical.

Num período em que claramente se desviou do caminho, a Igreja Católica sofreu diversas derrotas judiciais, e muitas delas graças à ação voluntariosa de Voltaire. O grande cientista conseguiu, na justiça comum, indenizações para algumas famílias vítimas de erros crassos da Inquisição.

Muita intolerância, perseguições e execuções criaram o caldo cultural distorcido que levou Feuerbach a afirmar que o homem é que criara Deus à sua imagem e semelhança e Nietzsche a anunciar a morte de Deus.

De um pólo, o homem saltou à outra extremidade. Se Deus ocupava o centro do universo, agora o próprio homem passou a ocupar esta posição. Anteriormente, à Religião cabia resolver tudo, agora é a ciência que se arvora e se apossa desta capacidade.

E a ciência passou a poder tudo.

Talvez a história de Frankenstein, de Mary Shelley, seja a crítica mais contundente à sacralização da ciência e sua pretensão ‘divina’ de poder tudo.

Na estória do Novo Prometeu, partes e órgãos de diversos cadáveres dão origem a uma estrovenga, com vida, é verdade, mas muito distante de uma figura humana.

A secularização política, o racionalismo, a doutrina filosófica imanentista que nega a existência de influências transcendentais no mundo, e o individualismo exacerbado foram conseqüências do embate entre o pensamento religioso e a ciência na idade média.

Até 1.700 o homem se valia das plantas para comer, mas também para tratar de doenças e enfermidades.

Deus aborrecido, castigando sua criação, ou armadilhas urdidas nas profundezas pelo demônio eram as justificativas mais comuns para os males imprevistos.

O tratamento administrado à loucura, hoje escandaliza. Era tarefa dos exorcistas, os religiosos que expulsavam o demônio que havia se apossado do paciente, ou dos que adquiriram a habilidade de conduzir a alma de volta ao corpo de onde tinha escapado.

O método mais em voga – ainda presente em regiões remotas da Argélia, consistia em abrir um buraco na cabeça da vítima, colocá-la de ponta cabeça e sacudi-la até esvair-se a “coisa maligna”.Expediente muito utilizado na França e na Inglaterra medievais.

O tratamento era a base de talismã, chás de folhas e enraizados, poções e preparados mágicos, danças e rituais de bruxarias.

De 1700 para cá, a ciência evoluiu muito, sobretudo nos últimos cinqüenta anos.

Por mais que tenha realizado, e pelo muito que ainda fará, a ciência jamais romperá o elo que une o homem a Deus. Por quê? Por que o homem se vincula à Deus? É uma pergunta que não cala desde que o homo sapiens se colocou de pé. E que continuará reverberando, uma pergunta ecoando pela eternidade... pelo menos enquanto o homem continuar ereto, será assim.

Antônio Carlos dos Santos – criador das seguintes metodologias:
©Planejamento Estratégico Quasar K+;
©ThM – Theater Movement; e
©Teatro popular de bonecos Mané Beiçudo.





__________________________________________


Clique na capa do livro para saber mais.



Para saber mais, clique na figura

Dramaturgo, o autor transferiu para seus contos literários toda a criatividade, intensidade e dramaticidade intrínsecas à arte teatral. 

São vinte contos retratando temáticas históricas e contemporâneas que, permeando nosso imaginário e dia a dia, impactam a alma humana em sua inesgotável aspiração por guarida, conforto e respostas. 

Os contos: 
1. Tiradentes, o mazombo 
2. Nossa Senhora e seu dia de cão 
3. Sobre o olhar angelical – o dia em que Fidel fuzilou Guevara 
4. O lugar de coração partido 
5. O santo sudário 
6. Quando o homem engole a lua 
7. Anos de intensa dor e martírio 
8. Toshiko Shinai, a bela samurai nos quilombos do cerrado brasileiro 
9. O desterro, a conquista 
10. Como se repudia o asco 
11. O ladrão de sonhos alheios 
12. A máquina de moer carne 
13. O santuário dos skinheads 
14. A sorte lançada 
15. O mensageiro do diabo 
16. Michelle ou a Bomba F 
17. A dor que nem os espíritos suportam 
18. O estupro 
19. A hora 
20. As camas de cimento nu 

___________


Para saber mais, clique na capa do livro

________________

AS OBRAS DO AUTOR QUE O LEITOR ENCONTRA NAS LIVRARIAS amazon.com.br: 

A – LIVROS INFANTO-JUVENIS: 

I – Coleção Educação, Teatro e Folclore (peças teatrais infanto-juvenis): 

II – Coleção Infantil (peças teatrais infanto-juvenis): 
Livro 8. Como é bom ser diferente 

III – Coleção Educação, Teatro e Democracia (peças teatrais infanto-juvenis): 

IV – Coleção Educação, Teatro e História (peças teatrais juvenis): 

V – Coleção Teatro Greco-romano (peças teatrais infanto-juvenis): 

B - TEORIA TEATRAL, DRAMATURGIA E OUTROS
VI – ThM-Theater Movement: